domingo, 25 de setembro de 2016

Reconciliação

Ontem de manhã, só de marido e filhos e após uma semana difícil, peguei na minha música e na bike e fiz-me à estrada com o intuito de ir passear sozinha até à Lagoa da Ervedeira. Bastantes quilómetros para pedalar sozinha mas talvez fosse até mais longe, dependendo do cansaço e das tendinites com que tenho lutado ultimamente pois até é coisa pouca, para os projetos futuros que tenho em mente. Logo se via.
Embrenhei-me nos meus pensamentos e ao som da minha música constatei que este mundo que é só meu, cresce um pouco mais todos os dias. Reconheço-me cada vez mais escassa de palavras e com cada vez mais silêncios, alguma solidão da qual não fujo e até procuro, muito trabalho, muitas mudanças que não sei se vão ser boas, algumas tristezas, muitas desilusões, algumas questões de saúde, tantas coisas postas em causa, tantos medos que nem costumo ter. Concluía  eu que  no fim de contas a vida não é um mar de rosas e que apesar de tudo só tenho é que a levar para a frente sem medos, quando toca o telefone a convidarem-me para uma tarde de btt. Ups! Apesar de ainda ir a caminho da Lagoa, aceitei prontamente que eu nunca me nego a uma pedalada. 
Abrandei o ritmo para não me cansar tanto, fui até à Lagoa e voltei, almocei a correr, troquei a roupa transpirada, mudei de bike e lá fui para uma pedalada com os amigos. O que me diverti, as gargalhadas que dei, as paragens que fizemos para beber minis, eu que nem gostava de cerveja, para comermos maçâs e pêras diretamente das árvores. Após um total de cento e trinta quilómetros não consigo explicar como não me sentia cansada pois necessitava disto para me reconciliar com a vida e comigo própria. 
Não posso, não quero, que este mundo que é só meu tome conta da minha vida.



21 comentários:

  1. Talvez a questão dos mundos seja como os a dos alimentos. Convém comer de tudo um pouco, equilibradamente. :)

    ResponderEliminar
  2. "A um dia segue-se outro (...) e outro, e outro...". Necessariamente diferentes. E ainda bem! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Carlos, ainda bem, não é o caso, mas há mundos de onde é difícil voltar e por isso temos de andar com uma perna em cada um :)

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Os silêncios também são bons e o isolamento por vezes faz falta. Mas tudo com moderação, claro. Beijinhos querida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo B. E não podemos deixar que os dias cinzentos impeçam que os raios de sol nos aqueçam. Precisamos de ambos, mas se nos isolamos é bem pior. Beijinhos

      Eliminar
  6. Olá GM, nesse mundo que dizes teu, há um outro onde tens de viver e para isso tens de meter o teu (salvo seja) :) dentro do outro. O nosso mundo, é sempre o melhor, mas depois vem este onde vivemos, que é mais a realidade, pois o nosso costuma ser mais (cor de rosa) não queiras a solidão linda, não queiras o isolamento, não queiras o silêncio, isso só piora, embora às vezes necessitemos dela para pensarmos, mas nem sempre nem nunca.
    Espero que a saúde não seja nada grave.
    Fizeste bem em sair com os teus amigos e divertires-te, isso é bom.
    Desejo-te um bom inicio de semana GM.
    E....UP UP ok? :)
    Beijinhos
    Instagram ∫ Facebook

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nina, tens toda a razão. Isto deve ser a meia idade a aproximar-se e a briga das hormonas, sempre fui extrovertida e agora dá-me para a introspeção. Num instante dou volta a isto. Ó se dou :) Boa semana

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Verdade Mia, nem me reconheço, podemos passar já para o verão do ano que vem? :)) Beijinhos

      Eliminar
  8. Querida Gajamiga

    Posso transcrever-te? Mesmo sem a tua autorização, aqui vai:

    Após um total de cento e trinta quilómetros não consigo explicar como não me sentia cansada pois necessitava disto para me reconciliar com a vida e comigo própria.
    Não posso, não quero, que este mundo que é só meu tome conta da minha vida.


    Gostei muito do texto, mas adorei este final.Compreendo-te perfeitamente. Por vezes é necessário sentirmo-nos sós para fazermos uma introspecção sem termos ao redor nada nem ninguém que nos impeça de a fazer. Por isso muito obrigado pelo que me deste. Falo por mim, apenas por mim...

    Qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  9. Cerveja é o combustível da bicicleta, não sabias? :P
    É destes pequenos prazeres que a vida tem de ser tingida. O resto tentamos deitar para trás das costas, reduzir-lhe a importância, mitigar os seus efeitos. That's the key! ;)

    ResponderEliminar
  10. A vida não é fácil...mas é preciso não desanimar apesar das contrariedades.



    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  11. Há tempo para tudo e não vale a pena forçar nada. Quando precisamos de companhia, ficar só pode ser o caminho da solidão... :/

    ResponderEliminar
  12. Sabes, eu sou uma pessoa sempre cheia de mil e uma atividades que gosto e me dão prazer, o entanto, não descarto os momentos só meus.
    Não vou pedalar, mas vou correr e esquecer-me de tudo! É tão bom de pois regressar à realidade!
    Boa semana!

    ResponderEliminar
  13. Esses momentos no nosso mundo são tão importantes (=

    ResponderEliminar
  14. Explica-me essa foto das duas bicicletas caídas atrás da moita :)))) ;)

    ResponderEliminar
  15. Explica-me essa foto das duas bicicletas caídas atrás da moita :)))) ;)

    ResponderEliminar
  16. Boa noite! Parabéns pelo texto. Também me sinto assim muitas vezes. E, tal como voçê, a vida dá uma volta e consegue animar-me com coisas simples, mas que me dão tanto prazer. Beijinhos Serena

    ResponderEliminar
  17. Isso é que foi pedalar :-) E agora com a bicicleta de estrada, ninguém te apanha, eheh :-)
    Também preciso muito desses momentos de introspeção... Fazem-nos... pensar e refletir...

    ResponderEliminar

Quem quer pensar comigo: