domingo, 28 de maio de 2017

Boa tarde Célia

Disse-me uma vez uma das filhas da vizinha da frente que eu fui criada como menina fina e não sabia nada da vida. A Célia, que não vejo há anos, havia já casado pois engravidara ainda adolescente e vivia longe mas tinha vindo visitar os pais. Ora, eu buzinei à Célia não sabendo de quem era o carro que estava estacionado em frente da minha garagem, a mesma onde eu queria entrar e não conseguia porque a Célia lá tinha deixado o carro.
Depois da buzinadela a Célia saiu disparada do portão, parecendo que estava do lado de lá à espera que eu buzinasse para soltar o leão que estava dentro dela. Eu, quando a vi dirigir-se a mim com o cabelo encrespado, o ar tresloucado e a lingua afiada deixei-me ficar à espera, dentro do carro. (Ai não!) Bom, a Célia parecia que tinha ali muita coisa entalada e falava sem respirar. Sim, a Célia, que eu lembrava-me, a que tinha em criança a aparência de um gato assanhado e selvagem, que nunca vinha à rua brincar nem falava com ninguém, mas ali, naquele dia, a lingua soltou-se-lhe e ela falou, falou, falou. De tudo o que disse e que o meu escudo filtrou, ficou-se-me na memória, que eu estava a buzinar-lhe porque fui criada como uma princesa, sim, eu que tinha tido tudo, até uma bicicleta e vestidos aos folhos, eu tinha era a mania que era fina, agora buzinar aos outros, vejam lá bem.
O meu maxilar inferior foi descaindo e ficando boquiaberto  por não compreender que raio de conversa era aquela, eu nem me lembrava que se tive ou não vestidos aos folhos e fiquei sem palavras, o que enervou ainda mais a Célia.
A vizinhança veio à rua e a Célia teve então todos os olhos postos em si com muita atenção, boquiabertos por a ouvirem falar. O trânsito ia-se acumulando atrás de mim que me encontrava no meio da estrada à espera de poder entrar em casa e alguém tentou acalmá-la para que tirasse o carro. Ela lá caiu em si e, a deitar fumo dos pneus, lá arrancou a cento e duzentos à hora e a gesticular ainda até deixarmos de a ver.
Pedi desculpa, entrei na garagem, saí do carro, respirei fundo e pensei: "Boa tarde Célia"

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Espiga e bruxaria


Hoje foi Dia da Espiga, a tradicional quinta-feira da Ascensão, feriado Municipal aqui por estas bandas do Oeste da Nação. 
Como a tradição ainda é o que era foi dia de "piquenicar" com os amigos no pinhal, dia de comer coelho com arroz de ervilhas e beber vinho ao ar livre, dia de deixar a conversa em dia, gargalhar e fazer uma incursão pelos pinhais à la pata até ficar com os pés e as pernocas bem sujas. Os miúdos andavam por ali e chegam um pouco assustados com algo bem estranho que viram ali perto, numa encruzilhada....


Bruxarias sem dúvida. Um mundo tão curioso quanto assustador, perturbador até. E como Google is my friend que eu sei, andei a pesquisar. Credo! Isto é todo um mundo de feitiçarias para tudo e mais alguma coisa. Só não é rico e belo e tem amor e tudo e tudo quem não quer. Há receitas para todos. MEDO!

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Bolhas

São bolhas aqueles escudos que criamos à nossa volta onde achamos estar protegidos de tudo e de todos. São bolhas em forma de rede de dentro das quais só vemos e ouvimos aquilo que queremos e onde apenas deixamos entrar quem nos faz bem, quem nos faz feliz. São bolhas aqueles céus onde apenas queremos ver sol e mar e flores. São bolhas as redomas que erguemos que por vezes nos fazem sentir capazes de tudo. A minha bolha falhou-me, mentiu-me e eu meti-me em mais uma aventura. Um duatlo! Sim, um duatlo com corrida, btt e mais corrida no fim. Pois são bolhas. Nos pés (acho que me vão cair as unhas). Dores nas pernas, não vão cair mas ficaram abananadas. Como é que uma Gaja de cinquenta anos acha que pode confiar assim na sua bolha ein?


sexta-feira, 19 de maio de 2017

La tortura

Trabalhar todas as sextas feiras no antro da confraria do pastel de nata não é bom. Temo ficar com a visão e o olfato definitivamente comprometidos.... 

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Sopro

Hoje acordei amarrotada, envelhecida, praticamente desprendida, tristemente ausente e desnudada.  Desejosa de que a ventania que se fazia ouvir nas frinchas das minhas janelas me arrancasse e levasse para bem longe assim que eu abrisse a porta e saísse para a rua.
Voltaria quando o sol brilhasse e o vento amainasse.  Voltaria quando um pequeno sopro o meu coração sossegasse.
Não me levou, mas ainda vai levar.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Vidas

Por entre as vidas eloquentes e intensas, marcantes e especiais, dramáticas ou felizes que há por aí, a minha é só uma vida.
Há quem seja rico, descendente da realeza, conduza um Porsche. Há quem seja especialmente bonito, ou se destaque pela altura, ou saiba escrever, pintar, correr, cantar. Há quem seja bom pai, bom filho ou a esposa exemplar. Há quem trabalhe num lugar de chefia, seja um líder ou tenha algum atributo que faz de si um ídolo ou um exemplo a seguir.
Eu não sou nada nem ninguém e nunca fiz nada de grandiosamente espetacular. Talvez por isso a minha vida seja apenas e só uma vida. Uma vida onde por vezes faz sol e por vezes chove, uma vida ora monótona, ora cheia de sobressaltos. Mas uma vida. A minha.

E enquanto penso nisto, há um pequeno aranhiço a passear-se no meu ecrã.
Um aranhiço é prenúncio de dinheiro não é? 
Parece então que a minha vida vai mudar...

domingo, 14 de maio de 2017

Encontro

Olhei devagar, demoradamente, perdi-me no horizonte azul, raiado de montículos de nuvens brancas. Não te encontrei. Nem a mim.
Percorri caminhos apertados e estradas longínquas e sinuosas, quilómetros sem fim. Não te encontrei. Nem a mim.
Corri, nadei, voei, cantei, chamei, gritei. Não te encontrei. Nem a mim.
De súbito abri bem os olhos e vi. Vínhamos os dois, de mão dada pelo areal num passo lento e curto. Os pés descalços a chapinhar na água, as almas nuas de tudo e de todos. Vínhamos os dois, encontrámo-nos um ao outro.