segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

É capaz de ser milagre

Que eu já veja um poucochinho e até já consiga ler depois de me terem escarafunchado o olho para tirar umas certas gorduras que teimavam em acumular-se, além de na cintura e barriga, também, vejam lá bem, no meu olho direito. Pois.... Meia hora à luz do dia ou a olhar para um ecrã é que é coisa para me deixar com o olho a arder e algumas dores, por isso, quinze minutos é o tempo que tenho para me actualizar. Em vez de ir ver os emails do trabalho resolvi dar aqui um salto num instantinho para vos contar um segredo.
Pedi ao Pai Natal um bilhete para ir ao Louvre comprar um brócolo.
Este bróculo! Nem é assim tão caro pois não? E cai mesmo bem na lapela do meu sobretudo, para alegrar estes dias frios.


terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Dos sentidos ou da falta deles

Todos os cinco fazem o seu trabalho que nos é imprescindível.
Se podemos viver sem algum deles?
Poder, podemos , mas não é a mesma coisa.
Neste momento estou privada , provisoriamente, de cinquenta por cento da visão devido a uma cirurgia e posso dizer que vivo com bastante dificuldade. Movimento-me muito bem em casa pois conheço-a de olhos fechados, mas não posso trabalhar, não posso conduzir, consigo escrever porque sei onde se localizam as letras, mas não consigo ler sem aumentar em muito o tamanho das letras. Felizmente que hoje a tecnologia nos ajuda muito  e uma coisa é certa, todos nós nos adaptamos às nossas limitações e aprendemos a viver com elas, desde que o queiramos fazer.
Bom, neste momento até posso estar a comer formiguinhas que se estiverem quietinhas nem as vejo, e até posso estar a responder a mensagens em alhos, quando a pergunta foi em bugalhos, mas com tudo isto, entendo cada vez melhor a dificuldade e a luta dos cegos por uma vida mais segura e mais digna.
Pessoas, facilitemos na parte que toca a cada um pois nunca sabemos o que nos reserva o futuro.
Eu já venho, são só mais uns dias. Espero.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Sei lá


Naquela parte em que sou teimosa como uma burra, e que croché só quando não puder mexer-me ou tiver algo que queira muito e resolva ser eu mesma a fazer como foi o caso do meu lindo tapete branco frigorífico, elegi a terça-feira, dia internacional da coça no ginásio. Uma aula de spinning mais uma aula de HIIT - Treino intervalado de Alta Intensidade, a grande coça da semana.
A pica que aquilo me dá. Bem sei que não vou para nova e que aquilo talvez seja demais para mim. Bem sei que nos dois dias seguintes estou praticamente entrevada e mal me consigo sentar e levantar. Bem sei que tenho uns quilitos a mais e o esforço que tenho de fazer é maior do que antes, pois trabalha-se apenas com o peso do corpo. Bem sei que nessa noite bebo aí uns dois litros de água que foi o que perdi durante as aulas. Na dúvida, a vontade de cumprir com o que me é pedido e ouvir “bom trabalho”, O sentir que estou a voltar à minha forma antiga, e ainda o facto de fazer análises médicas e não ter uma ponta de colesterol, não tomar comprimidos para merda nenhuma e ter um coração de uma jovem, faz-me pensar que estou certa.
Ainda assim pergunto-me algumas vezes. Este gosto, esta mania, este foco no desporto, com a minha idade, será um caso de insanidade? Não deveria eu fazer apenas pilates, ioga e manutenção?

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Quando te pões a jeito


Noutro dia deu-me para ir correr para a mata e sentia-me tão bem por voltar a correr depois de ter partido o pé e tão livre e leve e a paisagem era tão linda e o ar tão puro que durante a corrida, tirei fotografias a minha pessoa, selfies, portanto, e ainda me filmei para mais tarde recordar. Isto tudo enquanto corria e no fim, mais feliz ainda fiquei pois corri tão depressa e fiz uma média tão boa que jurei a mim mesma que um dia destes ainda me punha a correr a sério.
De tão contente, quis partilhar e coloquei no face o vídeo da minha proeza. Houve muitos comentários, uns de admiração e incentivo, outros muito engraçados, brincando com a situação. Auto estima em crescendo, não nego. Caiu-me a ficha no dia seguinte, queimou-se-me o fusível irremediavelmente e até me doeu bastante e não foram as pernas ou as unhas dos pé, foi a alma, quando um familiar que muito prezo, me disse cara a cara e seriamente, que devo estar a ficar doida.
Será pois então, o croché, o meu futuro passatempo.
Ou não, que sou teimosa que nem uma burra.

Riquezas


Lá, no sítio onde deixamos os nossos idosos porque não temos condições de cuidar deles, a vida é triste e solitária e nós vemos e ouvimos de tudo.
Diz a D. Teresa, sentada na sua cadeira de rodas com a mantinha por cima das pernas que a vida lhe foi madrasta. 
Seu homem trouxe-lhe muita dor e tristeza, muita solidão, mas deu-lhe um filho bom. 
Feitas as contas, valeu a pena….

domingo, 24 de novembro de 2019

A Rainha das probabilidades

Euzinha, pois claro... Passo então a elucidar-vos porque "probabilidades" é o meu nome do meio.
Pessoas, qual a probabilidade de, sendo possuidora de uma carta com a marcação de uma cirurgia, entregue em mão pela própria da Soudoutora e, em me apresentando no hospital, em dia e hora combinados, tomar conhecimento de que a data da dita cirurgia foi alterada, não se sabe para quando, e se terem esquecido de me avisar? Cinco pessoas em cem mil talvez? Pois eu fui uma delas.
E em ficando cheeinha de nervos, decidi ir correr para a mata, deserta de árvores neste momento pois arderam nos fogos e foram cortadas mas ainda assim plena de ar puro e vegetação rasteira verdejante.
Pessoas, qual a probabilidade de alguém ir correr cinco quilómetros e lhe dar uma súbita e inadiável vontade de fazer cocó num local onde nem um coelho se consegue esconder e sem um petit papier para limpar o ass? Posso adiantar-vos que nunca de tal coisa ouvi falar, mas que o meu rácio é de três vezes para seis corridas. Pois.... Nunca vou poder correr uma maratona ou sequer uma meia... Nem imagino as vezes que teria de parar para correr quarenta e dois quilómetos..
Posto isto, lá encontrei um pequeno arbusto e por detràs me agachei. Umas folhinhas serviram de papier hygiénique e as mãozinhas lavei-as no riacho. Adiante que a tropa manda desenrascar!
E pessoas, qual a probabilidade de no mesmo dia, a minha Manuela das Limpezas e braço direito de Mamãe, me envia um SMS a informar que arranjou um emprego a tempo inteiro e se vai para outras paragens?
E ainda, pessoas, qual a probabilidade de alguém ir às compras ao supermercado e em chegando a casa a porta da bagageira não abrir e quase ter de desmontar o carro todo para tirar os congelados, ein?
Olhem, pessoas, vou ali procurar um sítio para falecer conamaguento de tantos nerves!