quinta-feira, 2 de Outubro de 2014

Prontos!


Açores Btt Challenge aqui vamos nós. Com muita pena minha, a minha bike não está nesta mala...
Desta vez vou dar apoio a maridão e sua dupla que vão participar neste desafio. 
Eu... bom, desta vez vou apenas ver, passear, fotografar. Talvez no ano que vem arranje quem faça dupla comigo. Até já!



quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

E para começo de ferias....


A minha costela chinesa

Não, não sou o Songoku nas horas livres, nem tenho os olhos em bico, só às vezes, mas pensando bem... Até tenho o cabelo espetado, sou tamanho mini e calço o 35! Ah! E muitas vezes ninguém entende o que eu digo que até parece que falo chinês. Deve ser isso, deve.
Mas a questão é que, tal como os chineses, adoro arroz, estou sempre a comer arroz. Branco, amarelo, de tomate, de pato, de feijão, de marisco, arroz! Basmati, selvagem, evaporado, por evaporar, risotto, marcha tudo, prontes! E sou capaz de comer pratadas de arroz que não vos passa pela cabeça e sempre com tal deleite e prazer, como se de caviar se tratasse e mais só comi caviar uma vez e nem gostei. Arroz doce então.. consigo comer travessas inteiras.
Bom, mas como se não bastasse tudo isto, ainda temos o arroz tufado. Tabletes com arroz tufado, cereais com arroz tufado, bolachas e tostas de arroz tufado.
Qu'esta merda??
É que ninguém entende porque como eu uma merda destas a saber a tinta de borracha, não é que eu acredite que já alguém tenha provado tinta de borracha, mas prontos, até que é verdade, empapa na língua e cola-se aos dentes, felizmente que não tenho dentadura, caso contrário teria um grave problema. Mas dizia eu que ninguém entende porque sou eu viciada em tal coisa de arroz sem ser por uma grave questão de saúde ou dieta.
Gente! Eu gosto de arroz ok?
E vocês, não? Não mesmo? Têm a certeza??


terça-feira, 30 de Setembro de 2014

O meu malote de Pandora/Gym

O meu malote do ginásio é uma verdadeira caixinha de surpresas, uma autêntica caixa de Pandora de onde saem todos os males à excepção da esperança, pois só sei o que vou lá encontrar quando chego ao próprio do ginásio...
Preparo o malote na véspera já a dormir ou de manhã antes de sair de casa, ainda a dormir, ponho lá para dentro o que eu acho que vou necessitar em chegando ao ginásio e não penso mais no assunto. Quando saio do trabalho a cento e duzentos à hora para chegar a tempo, chega-me a preocupação, o medo e a consternação ao verificar o conteúdo do mesmo.
Uma vez esqueci-me das sapatilhas, outras 20 vezes da toalha, umas 50 vezes da água, umas 10 vezes das meias... Ainda me esqueci dos calções, das cuecas para vestir depois do banho, dos elástico para o cabelo e vezes sem conta levei a chave do cacifo para casa. Uma estouvada, é o que eu sou! O que me vale é que há gajas que levam tudo às dúzias, já fiz aulas com sapatilhas 39 (calço o 35), já fiz aulas com calças XL, visto o S, meias há sempre gente de confiança que empresta e toalhas e água o ginásio aluga. Um dia em casa não encontrava umas calças de vestir, simplesmente Puf! Eclipsaram-se, escafederam-se assim do nada e eu não fazia ideia do que lhes teria acontecido. Passado quase 1 ano, a moça da recepção pergunta-me se eu não tinha dado por falta de umas calças, que de tão pequenas, não sendo de ninguém só podiam ser minhas. Rebobinei, rebobinei e lembrei-me, fui então ao cesto dos perdidos e achados, lá estavam as minhas calças...
Isto é do caraças ein, ou será da idade??

A propósito de correntes

E de desafios e de pagar jantares se não qualquer coisa, dei comigo de volta dos meus álbuns fotográficos e descobri lá estas pérolas que me trouxeram felizes recordações.
Da primeira só me lembro que tinha a mania de dar saltos na cama. Tantas vezes fui repreendida, tantas vezes o fiz porque era proibido. E continuei a fazer até que um dia de tantos saltos que dei e de tanto rir e saltar, caí de cabeça, fora da cama, claro.
Além de me ter quase desmontado toda, está explicada a minha panca.
Da segunda lembro-me dos verões em que acampávamos em plena praia de Julho a Setembro e andávamos na água o dia inteiro, livres e soltos por aquele areal. Nunca me vou esquecer como fui feliz naqueles verões...
E esqueçam o topless, eu tinha a mania que era um garoto, ok?



segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Quando ela passa

Pois então, quando ela passa...
Ela, digamos eu e digo bom dia a pessoas desconhecidas com quem me cruzo, sim, fui educada assim, o que hei-de fazer, muitas vezes verifico que sou invisível, outras vezes sou olhada como se de um ET se tratasse, não por ser um ET claro, mas por dizer bom dia....
Isto de ouvir um bom dia de uma desconhecida é caso de polícia. Mas que raio uma gaja tem de se intrometer na vida de uma pessoa? Que gente tão abusadora e cusca. Sim, cusca, mas quem é esta gaja para me desejar um bom dia?? Por que é que esta agora quer saber se o meu dia é bom ou mau, raios a partam?? Ela há com cada uma...

Um do li tá...