quarta-feira, 1 de abril de 2020

Dia 80 - 17 "Um post por dia até ao fim do "

Se me dissessem que eu um dia ainda iria fazer um bolo de maçã e canela na pausa para almoço de um dia de trabalho e iria comer uma fatia quentinha, eu iria chamar tola a essa pessoa.
Se me dissessem que eu um dia iria trabalhar de manta nas pernas e fato de treino e pantufas, eu iria morrer a rir.

terça-feira, 31 de março de 2020

Dia 79 - 16 "Um post por dia até ao fim do corona"


Se um dia alguém me dissesse que eu iria ter o meu Zé Gato como companheiro de trabalho, eu iria rir-me muito ironicamente

segunda-feira, 30 de março de 2020

Dia 78 - 15 "Um post por dia até ao fim do corona"

Ontem à noite retirei do armário toda a minha coleção de gatos para o poder arrastar e o marido pintar as paredes. Comecei por contá-los mas desisti, tal é a quantidade. Tenho gatos provenientes de muitos lugares do mundo, uns que me trouxeram, outros que eu própria trouxe, de cada país, de cada lugar por onde passei. Consigo imaginar-me em cada sítio, lembrar-me dos cheiros e dos sabores, das lojas ou mercados onde os adquiri e dos gatos que lá ficaram para a próxima vez. Consigo ver o que vi, sentir o que senti, viver o que vivi e rir-me do que me ri. Ainda que sentada na minha cadeira, dentro destas paredes em que estou confinada, já corri mundo.
Fui tão feliz e não sabia.

domingo, 29 de março de 2020

Dia 76 e 77- 13 e 14 "Um post por dia até ao fim do corona"

Bom, hoje são dois posts em um mas até podiam ser três ou quatro ou dez que entretanto isto está para durar e os posts vão parecer todos iguais e já não há cu que aguente estar sentada à espera que isto passe com boa disposição e criatividade.
Ontem resolvi ir correr perto de casa como dizem as leis e ao invés de virar para sul até à cidade como faço habitualmente, virei a norte e em quinhentos metros estava no pinhal. Correr no pinhal é bem mais difícil e mais lento por causa dos paus e das pedras mas muito mais agradável. As borboletas acompanharam-me, os passaritos chilrearam à minha volta e a brisa correu entre os pinheiros fazendo arrepiar-me a pele quando passava por mim. Não que tivesse frio, mas porque a sensação de andar na rua tem agora outro significado.

Hoje é domingo e as pinturas levaram um grande avanço, maridão parece um pro nestas andanças e em breve terminará. Se a coisa der para o torto na profissão dele, pode muito bem virar pintor. Eu, dei asas à imaginação e tenho duas folhas de papel cheias de ideias para alterar e transformar  alguns cantos da casa logo que possa deslocar-me para adquirir alguns produtos. Nos entretantos e como tantas outras coisas neste momento, não vão passar do papel.

Não se vislumbra fim à vista para tudo isto e eu sinto-me triste hoje.

sexta-feira, 27 de março de 2020

Dia 76 - 12 "Um post por dia até ao fim do corona"

Hoje, após o teletrabalho entrei de fim de semana finalmente e fui dar um passeio

Fiz um bolo
Participei numa festa de aniversário por teleconferência e até fizemos um brinde.
Andei todo o dia à procura de Zé Gato e encontrei-o finalmente às seis horas a dormir dentro de uma gaveta
Fui buscar os pintainhos que Mamãe tinha encomendado e acomodei-os no seu T1
Amanhã seguem as pinturas, desta vez na sala de jantar
Até amanhã




quinta-feira, 26 de março de 2020

Dia 75 - 11 "Um post por dia até ao fim do corona"


Começo finalmente a adaptar-me a isto do teletrabalho, como de resto e muito provavelmente, todas as outras pessoas nesta situação. Consigo cumprir o horário, mesmo sem marmita e tendo de cozinhar para quatro ao almoço e já faço isto tudo com uma perna às costas. Uma questão de ter o escritório ao lado da cozinha e ser multifunções, talvez.
Cá em casa o primeiro andar ficou pronto. Em tempos mandei pintar tudo de um amarelo, lindo, o amarelo das revistas de decoração "El Mueble", no entanto, agora quisemos tudo branco e estou a adorar a luz. Linda, luminosa, resplandecente. O branco é de facto uma cor fantástica ou não fosse ela a cor da espuma do mar, das nuvens e do fofo algodão.

Adicionar legenda