quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Baralhação

Os lençóis  e as fraldas estão bordados, as botinhas tricotadas, os fatinhos alinhados,  cheirosos e macios, prontos nas gavetas a espera da chegada das cegonhas vindas de Paris.
Ondas de amor e esperança espalham-se pelos ares contagiando pessoas e arrancando sorrisos. Mães prenhes de vida e de amor aguardam pacientemente o dia em que a cegonha lhes vai deixar a porta um embrulho que choraminga.

As cegonhas porém que iniciaram há  pouco os seus voos, perfiladas umas atrás  das outras desenhando uma linha de renovação no céu, encontram-se agora às voltas, desorientadas, perdidas neste céu ensanguentado de fumo, cinzas e até  labaredas. Não  sabem para onde ir,  não  sabem o que fazer. ...
Estão desesperadas.

14 comentários:

  1. Bom dia GM
    Por aqui tá igual, até os passarinhos andam aflitos.
    Que passe rápido.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que sim Nina, todos os anos é este inferno.... Beijinhos

      Eliminar
  2. Bom dia GM
    Por aqui tá igual, até os passarinhos andam aflitos.
    Que passe rápido.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Horrível Sofia, ainda por cima a maioria são fogos postos... :(

      Eliminar
  4. É um horror imenso. Sinto uma imensa tristeza.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um verdadeiro inferno Uva... Que triste tudo isto :(

      Eliminar
  5. Se nós ficamos aflitos, imagina os animais :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Miúda, coitados. Isto não é bom para ninguém...

      Eliminar
  6. Agora fizeste-me lembrar uma música do Carlos Paião :)...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Estudante, neste momento não há música que console esta gente que perdeu tanto..

      Eliminar
  7. UM poético e belo texto para descrever uma horrível tragédia.
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. penso muito nos pássaros e em todos os animais que ficam desalojados... até nas pessoas eu penso.

    ResponderEliminar
  9. Passei uma semana de olhos a arder com tanto fumo, que já nem me sobram lágrimas. Confesso que fico surpreendido como é que, ao fim de 30 anos a arder, o país ainda tem matas para alimentar mais fogos.
    Com este calor e vento, não há muito mais a fazer...

    ResponderEliminar

Quem quer pensar comigo: