quarta-feira, 13 de abril de 2016

Assim a falar a sério mesmo a sério

Conhecem alguém que tenha arranjado emprego através  do Linkedin?

34 comentários:

  1. Conheço uma pessoa, mas a coisa correu mal...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jorge, pelo menos já alguém se empregou a conta do Linkedin. É que a mim parece-me apenas mais uma rede social onde se pode cuscar o que os outros sabem fazer. Ou dizem que sabem :) serei só eu?

      Eliminar
    2. Parece-te a ti e parece-me a mim! O emprego do gajo acabou quando cortou relações com a dama que descobriu no Linkedin.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Pois... Loira, supostamente é uma rede, social, onde empregadores procuram pessoas para empregar e pessoas procuram empregadores... mas eu tenho cá as minhas dúvidas

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Pois lá está Gil. Eu também não. Mais uma rede social, esta para a vida profissional :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Pois eu também não Renata. Para que raio servirá aquilo? Cuscanço da vida profissional :))

      Eliminar
  5. Conheço uma pessoa! E a coisa até correu bem =P Mas é o único caso que conheço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma boa notícia. A ideia até é bastante inovadora e útil, pena é que parece fazerem dessa rede uma utilização indevida.

      Eliminar
  6. Sei de quem tenha sido contactado mas não sei como correu o resto da história.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Atendendo ás dificuldades atuais, oxalá tenha resultado Joana :)

      Eliminar
  7. Sim, conheço várias pessoas que mudaram de emprego via linkedin e conheço profissionais de recursos humanos que são muito activos nessa rede social para encontrar candidatos. Mas o linkedin não serve só para quem procura emprego. Também se podem seguir grupos de discussão da área em que se trabalha e/ou participar neles activamente e aqui pode-se aprender ou mesmo nivelar métodos de trabalho. Por vezes também há "posts" no linkedin, escritos por pessoas especialistas na sua área, que podem ser interessantes. E ainda se podem seguir empresas e ficar atento ao que elas desenvolvem e "postam".
    Mas reconheço que o linkedin pode ser mais útil numas áreas de trabalho do que noutras. Por fim, também penso que o facto de não se ter perfil no lnkedin não é necessariamente, digamos, prejudicial. E claro que também há muito ruído e coisas que não interessam, isso há. :-)
    Um beijinho, GM.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Susana, achei a ideia genial e bastante interessante para a área profissional e por isso também coloquei lá o meu perfil, há vivualizações porém nunca fui contactada nem conheço ninguém que tenha sido, talvez passe por "linkarmo-nos" ás redes certas e nas áreas certas. Também sei de empresas e recrutadores que consultam a rede, como aquela onde trabalho, porém, a maioria acaba por colocar anúncios nos jornais. Há posts bastante interessantes, é verdade, mas também há muitas pessoas que aproveitam para postar coisas que nada têm a ver com o que na realidade é o ponto fulcral e era aí que queria chegar, aos abusadores de sempre. Filtros, como em tudo na vida, há que ter em conta os filtros. Quem sabe se para os meus filhos que entretanto entram no mundo profissional, não virá a ser uma mais valia, que eu, parece que já passei do prazo. Beijinho :)

      Eliminar
  8. Não conheço ninguém. Os meus amigos estão todos desempregados e vivem debaixo das arcadas do Terreiro do Paço. ahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahahah. Homem do leme, talvez entretanto criem uma rede "Arcadas do TP link" ;))) Haja esperança

      Eliminar
  9. Também não conheço ninguém GM
    Jokas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem eu nina, mas haja esperança :) Jokas

      Eliminar
    2. Boa sorte querida, estar desempregado é do pior.
      Beijinhos millllll :)

      Eliminar
  10. Também não conheço ninguém GM
    Jokas

    ResponderEliminar
  11. Não conheço ninguém e acredito pouco nessa rede social para esse fim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta rede está a espalhar-se e é uma pena que seja utilizada por muitos indevidamente B. Quem sabe não será uma mais valia para ti. Beijinho

      Eliminar
  12. Também não conheço ninguém mas a minha opinião não conta. Dada a minha idade, os meus amigos estão todos reformados.
    E em dia de beijos, deixo um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, hoje em dia o mercado de trabalho é bastante restrito quanto á idade, depois dos 35 anos já é difícil encontrar emprego, pelo menos na área onde me insiro e no lugar onde vivo :) Beijinho no dias do beijo

      Eliminar
  13. Gaja

    eu não comheço ninguém que tenha arranjado emprego através dessa rede social....mas que muita gente fofoca nele lá isso é verdade...

    beijos

    ResponderEliminar
  14. Nunca conheci ninguem que tivesse arranjado emprego lá... mas isso sou eu.
    R: sim sou eu... porra ja me mostrei demais :p

    ResponderEliminar
  15. Vejo-me obrigada a responder negativamente. Não tenho conhecimento de nenhum caso.

    Um beijinho, GM

    ResponderEliminar
  16. Eu vou mais longe e até sugiro que é impossível encontrar emprego online. Principalmente nos portais de emprego.
    Será que é exagero?
    Não sei se é. Se formos a pesar a quantidade de "ofertas" e quantidade de empregados... Existem muitos esquemas, falcatruas, segundos interesses... a internet veio a facilitar isso. Não sei como se consegue hoje em dia um emprego, na realidade. Só se tiveres inserida num bom nicho, aí tens possibilidade. Ou seja: já tens de ter uma rede de contactos. Sem ela... a rede internet é de pouca valia. Principalmente como bem dizes acima, acima dos 35 (e até já mais abaixo) a pessoa é posta a um canto. A juventude é mais fácil de enganar, submete-se com mais facilidade a qualquer coisa, tem mais «drive», melhor aparência e quase zero responsabilidades. Razões pelas quais quase sempre optam por empregar dentro desta faixa etária.

    ResponderEliminar
  17. Penso que a ideia é uma pessoa marcar uma espécie de território, ou seja, colocam-se lá as informações mais significantes como uma espécie de complemento ao curriculum.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Quem quer pensar comigo: