terça-feira, 5 de abril de 2016

Perdida

Não soube precisar quando se terá tornado o mundo tão pequeno para si. Aquelas paredes, outrora enormes e brancas que refletiam a luz, eram agora escuras, atarracadas, pareciam-lhe a ela uma clausura. O ar, tantas vezes leve e perfumado, era agora pesado, denso e lhe dificultava a respiração. O calor, morno, agradável, tornara-se frio, gelado e a solidão, o silêncio... O silêncio que tanto apreciara em determinados momentos, era agora penoso, sufocante, inquietante. E aquele silêncio que lhe doía no corpo e na alma.
O querer ir e ao mesmo tempo ficar, o querer ser e não ser, o fazer e o não fazer. Tudo se amontoava num enorme turbilhão dentro da sua cabeça. Foram dias, meses, talvez anos e anos até se sentir tão pequena, tão frágil, aprisionada, amordaçada, de coração triste e alma estilhaçada.

Partiria!

Caminhou sem destino dias e noites sem fim, perdeu-se inúmeras vezes, correu, voou, quis ver o tamanho do mundo e procurou. Procurou incessantemente um lugar grande, cheio de luz, quente e perfumado, nunca o encontrando.
Foram meses e anos é deriva, de alma perdida e ainda vazia, quando finalmente voltou a encontrar-se.

Voltou!

21 comentários:

  1. Gosto deste reu registo com travo poético...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto por vezes de me imaginar na pele de outras pessoas Alice. Não sei bem se será como descrevo, mas talvez parecido com algumas coisas que por vezes ouvimos ou nos passam pela cabeça :)

      Eliminar
  2. Há buscas que demoram mas acabam por terminar.

    Beijos, GM :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No caso desta história sim, mas quantos andam por aí perdidos Maria Tu:)

      Eliminar
  3. Que tal um bom bom? Não resolve mas, ajuda...

    http://noname-metamorphosis.blogspot.pt/2014/06/amargos-de-boca.html

    Boa noite GM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acontece Non. Pelo menos a mim falta-me o açúcar muitas vezes. Vai um kit kat? Ai c' horror, fui pesar-me há pouco. Sai dieta :))) jinhos Non

      Eliminar
  4. Às vezes é bom partir-mos sem destino.
    Quantas vezes aí nos encontramos.
    Beijinho GM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nina, no fundo acontece-nos a todos perdermo-nos de quando em vez. Mas enquanto nos formos encontrando está tudo bem. Certo? Beijinho

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  6. Respostas
    1. Verdade Prateada. Mas era bom que por vezes tudo viesse ter connosco em vez de termos de procurar tanto :)

      Eliminar
  7. É dificil as vezes perceber que rumo levar, e ai perdemo-nos... Mas somos fortes e persistentes, demora mas encontramos o caminho certo novamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miúda. Costumo dizer muitas vezes que nem sempre sei o que quero, mas sei sempre o que não quero para mim. Sempre ajuda nas escolhas e nas tomadas de decisão :)

      Eliminar
  8. às vezes não é fácil encontrar o caminho...

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há que o procurar Isabel. Andar perdida não deve ser nada bom :)

      Eliminar
  9. Prosa poética?
    Estamos a desenvolver outras qualidades? Ehehe. Cuidado bicicleta!
    Fiquei curiosa para saber se é bibliográfico e quero saber mais! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não Portuguesinha, não é autobiográfico embora cada um de nós por vezes se sinta um pouco perdido e acabe por se reencontrar, mas ando a aventurar-me na escrita, um pouco a medo, mas por vezes apetece-me :))

      Eliminar
  10. Querida GM, todos temos de nos perder um pouco para nos podermos encontrar. Fazes muito bem em experimentar outros registos. Eu gostei muito.

    Um beijinho e continua :)

    ResponderEliminar
  11. The portugee economy is in the toilet, and droves of it's citizens are fleeing to neighboring Spain to work just to put food on the table! Those who don't go to Spain are swimming, or jumping on bannana boats to go to Angola or Mozambique just to sell their body for cod to feed their families. The slightly better off portugee are flying to Brasil to live in a favela that is much better than the poor, decrepid conditions they live in now; at least here they can eat.

    The portugee are an ignorant bunch stuck in a mental time-warp that only focus on a national soccer team that has never won a single Euro or World Cup and "how" good things were in the distant past rather than focusing on their now deteriorated, non-existant economy, and how bad things really are today.

    This is "why" they can't seem to see the log stuck in their eyes but see the splinters in everybody elses eyes. I do find it ironic that they are racist toward Spain, Angola, Mozambique and Brazil only to later go look for a better life in these countries!!


    Obrigado amigos meus do Benfica!!!!!

    ResponderEliminar
  12. Um excelente texto amiga. Poesia, feita prosa num texto emotivo.
    Gostei.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  13. Um excelente texto amiga. Poesia, feita prosa num texto emotivo.
    Gostei.
    Um abraço

    ResponderEliminar

Quem quer pensar comigo: