segunda-feira, 30 de março de 2015

Como nos filmes

Acordo de madrugada. É ainda noite e já não consigo dormir. 
O calor da cama, aquecida pelos nossos corpos, mais pelo dele que pelo meu, claro, são reconfortantes e apaziguadores da minha mente já desperta e pronta para mais um dia. A respiração dele é calma, serena e ritmada de quem dorme profunda e descansadamente. Sinto uma calmaria, uma paz, uma enorme satisfação. Aquele retângulo porém, já não é suficiente para me prender ali. Nunca foi. Sempre tive pressa de acordar, sede de viver, de nunca perder tempo a dormir, de fazer coisas...
Calço as pantufas, ponho um polar pelas costas e desço as escadas, sei exatamente onde pôr cada pé, sei todos os cantos e recantos, todas as curvas, todos os tapetes e tudo aquilo que tenho de contornar na minha casa sem acender as luzes. Sei-a de cor.
Os gatos continuam enroscados no sofá, o cesto da roupa por passar continua ali, impávido e sereno, desta vez está mais vazio, dei-lhe um bom adianto, a casa de banho já não está húmida dos banhos da noite anterior, há pelos de gato pelo chão, a banca da cozinha tem migalhas e a toalha ainda está na mesa, do jantar tardio de MaisVelho.
Não cheira a café nem a pão quente como nos filmes, a sala está escura e a casa está fria. O dia nunca mais nasce...
Volto para a cama e abraço-me a ele, está quentinho. Vou tentar dormir e acordar de novo, desta vez como nos filmes.

26 comentários:

  1. Gostei! Como gosto da forma que escreves, Gaja Maria, obrigada!
    É reconfortante sabermos de cor os nossos recantos - e voltar para o aconchego quentinho, com boa companhia, então, é do melhor!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, os nossos cantos e recantos são mágicos, são nossos . Bjs K

      Eliminar
  2. Oh que texto tão familiar e reconfortante =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Momentos, dias pelos quais todos passamos :))

      Eliminar
  3. Não tenho escadas para descer, mas de resto, também me acontece algumas vezes: a pressa e depois o arrependimento e o regresso ao "ninho".

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O regresso só "ninho" parece que ainda tem um gostinho melhor... Bjs

      Eliminar
  4. Que belo texto, que reconfortante, quase que conseguia 'visualizar' tudo pela forma como escrever... :-)

    ResponderEliminar
  5. faço isto quando algo preocupante me assola o espírito e não consigo dormir. Quando volto para a cama, consigo dormir, mesmo que despertador dele toque nos cinco minutos seguintes.

    Há alturas que mais vale fazer alguma coisa do que tentar ser mais teimosa que a insónia.

    E sabe bem acordar enroscadinha e já mais quentinha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. por vezes não vale a pena lutar contra, mas sim dar a volta.. :))

      Eliminar
  6. As safadas das preocupações e pensamentos que nos saltitam no "sótão" não nos largam. É tramado e parece que ganham sempre mas também nos cansam pelo cansaço e é sempre tão mais fácil quando temos a sorte de ter ao nosso lado quem se ama. Beijinhos e melhores noites de descanso

    ResponderEliminar
  7. Suspiro, suspiro e outro suspiro ... tão bom! A forma como descreves cada pormenor é tão linda, que até parece que estamos a vivenciar o momento. Adorei! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. momentos que todos nós vivemos de vez em quando :)

      Eliminar
  8. Respostas
    1. temos de ver o lado positivo da insónia :))

      Eliminar
  9. Casa sem pêlos de gato pelo chão e sem migalhas não é casa ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)) pelo menos na minha é o prato do dia :)

      Eliminar
  10. Mais uma prosa digna de nota. Acho que te devias abalançar mais nas palavras, Gaja, tens um jeito natural.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada AC, vindo de ti fico motivada a abalançar-me :)) Bjinhos

      Eliminar

Quem quer pensar comigo: