quarta-feira, 13 de maio de 2015

À noite

Caiu a noite.
Uma noite quente de primavera como há anos não havia igual. Ela abriu a porta e saiu para o jardim. Corria uma leve brisa que por instantes a fez arrepiar mas a que logo se habituou. Sabia tão bem aquele arrepio de frescura a percorrer-lhe os braços, o pescoço agora nu, sempre prendia o cabelo assim que chegava a casa, fazia-lhe calor e tolhia-lhe a liberdade de movimentos, agora não, sentia o fresco percorrer-lhe o corpo. Copo de água fresca numa mão, cigarro na outra, sentou-se na espreguiçadeira a olhar a noite. Dizem que à noite não se vê, mas com o holofote ligado, havia dezenas de sombras para observar.
A cozinha estava por arrumar, o banho por tomar, os blogues por ler, o dia seguinte por preparar. Tanto por fazer, tanto por continuar e concluir. Mas não, iria apreciar aquele momento calmamente, as sombras falavam-lhe ao ouvido. A torneira pingava, o churrasco precisava de ser limpo, a parede pintada, as ervas daninhas apanhadas, as folhas da buganvilia varridas...
Cheirava a flores porém, cheirava a quente, cheirava a noite, uma teia com aranha, uma flor que começa a despontar, as orquídeas a crescer.
Bebeu a água, fumou o cigarro calma e lentamente como quem sorve o nectar da vida. Respirou fundo e foi para dentro contrariada.

20 comentários:

  1. É bom apreciar a noite sem pensar em mais nada! =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando as noites são quentes é uma maravilha :)

      Eliminar
  2. Gosto dessas noites assim...
    Não fosse a buganvilia ia jurar que passaste lá por casa ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) A buganvilia é muito bonita mas dá uma trabalheira, milhares de folhas e flores que caem com o vento e no outono :)

      Eliminar
  3. Gaja Maria
    É um hábito que cultivo nas noites quentes...só não acendo o cigarro (vicio estúpido que ousei afastar)!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fizeste bem afastar esse vício estúpido, mas um cigarro depois do jantar, o único do dia, não faz mal a ninguém, (digo eu) :))

      Eliminar
  4. Como eu gosto de estar lá fora á noite com calma faz-nos tão bem :)

    ResponderEliminar
  5. Deixasses a bicla sossegada e ficava tudo limpo e arrumado num instante é o meu pensamento quando olho para o meu minúsculo jardim, antes de virar costas e secar a louça molhada :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes crer! :)) mas o que hei-de fazer, os meus pais fizeram-me bonita em vez de rica... não há verba para empregada :)))

      Eliminar
  6. Adoro esses pequenos momentos (excepto a parte do cigarro, sorry!), onde só estou eu e o silêncio da noite! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, o cigarro só faz mal, mesmo que seja um por dia depois do jantar :))

      Eliminar
  7. a noite é, em geral, boa conselheira.
    para não variar, gostei da descrição.
    para quando, Gaja Maria, mais aventuras na prosa?
    ;)
    beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dia destes quando a inspiração me atacar :))

      Eliminar
  8. Adoro essas noites quentes mas nao acendo o cigarro. Silemcio por vezes tao saudavel.
    Kis :>)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois do bulício do dia, faz tão bem o silêncio, exceto o cigarro claro :) Este cigarro por dia ainda me mata.

      Eliminar
  9. Sabe tão bem! (Dispenso o cigarro). :)

    ResponderEliminar
  10. Está tudo muito bem, só é pena o que há para fazer, sinto o mesmo às vezes ;-)
    Mas depois o silêncio sabe muito bem e apazigua tudo, tudo menos o cigarro :D

    ResponderEliminar
  11. Muito bem,bonita história aqui revelada,sim,senhora,gostei muito!!

    ResponderEliminar

Quem quer pensar comigo: