domingo, 25 de fevereiro de 2018

São mais de cinquenta

Não sombras lá do tal Grey, mas rascunhos que nunca publicarei.
Sinto. Sinto muito. E quando sinto escrevo. Escrevo o que não consigo dizer a ninguém e escrevi tantas coisas nestes últimos dias, mas há muito que sei que já não sou anónima e não consigo, nem posso, despir-me assim de mim....

Ontem vi a primavera quando fui pedalar. Vi mantos verdes atapetados de pequenos malmequeres brancos, ouvi o chilreio de dezenas de pássaros, vi o sol e a luz. Aquela luz clara e brilhante que anuncia os dias amenos, senti o cheiro a fresco e a verde e cheguei cansada, quase noite, mas muito feliz. Pedalar é como escrever. Uma terapia.

26 comentários:

  1. Há coisas, que devem ficar connosco e nem porque sejam escabrosas
    mas, por são nossas e ponto final.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais amiga Non, há coisas nossas que são só nossas e assim devem ficar.
      Beijocas :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Cada um tem os seus refúgios Mena e quem não tem haveria de os procurar. Fazem tão bem :)
      Beijinho

      Eliminar
  3. eu não quero perder a liberdade de escrever o que sinto. nem que para isso tivesse que criar outro e outro e outro blog :)
    parece que a primavera nos anda a intensificar...
    boa segunda, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é por aí ana, a liberdade é muito importante :)
      boa noite

      Eliminar
  4. nã abandones os rascunhos... eles são como os dias de sol e mantos verdes que furam o inverno. amanhã pode chover, mas os rascunhos também podem virar texto :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nãã. quem sabe os prante num outro lugar Manel :)

      Eliminar
  5. Há coisas que só a nós dizem respeito...

    Boa semana!

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  6. Sente, sente... e depois pega numa caneta e confia no carácter inesgotável do murmúrio. E escreve. Torrentes do sentir. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Patife, sente, sente que o teu sentir tem graça :))

      Eliminar
  7. Que bom :)
    Ontem também voltei a pedalar ao fim de quase cinco meses sem o fazer... é tal e qual como dizes, uma autêntica terapia, estava cheia de saudades...
    Beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tão mas tão bom Algures, às vezes dá a preguiça mas depois ainda sabe melhor :-)

      Eliminar
  8. Olha, também faço isso! Ainda tenho as mãos sujas de óleo do desviador que troquei da minha bicicleta! Quanto às sombras, por vezes sou sombrio demais para me pintar de cinzento!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As sombras desvanecem todas quando vou pedalar e tu João, também adoras pedalar?

      Eliminar
    2. É das melhores formas que abstração que conheço! Sim adoro

      Eliminar
  9. Quanto ao pedalar não sei, nunca soube.
    Escrevo para sacudir as sombras que me inquietam. Rascunhos, todos temos.
    Bela foto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Havias de experimentar Magui, ias gostar de pedalar por aí. Mas escrever também é bom, só não nos faz sentir o vento nas orelhas :))

      Eliminar
  10. Gostei de ler. Por aqui a primavera também já se mostra .
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora vem a chuva Elvira, mas depois ainda fica tudo mais verde. Tão bonito :)
      Abraço

      Eliminar
  11. Gosto de andar de bicicleta e escrever também...

    Beijo

    ResponderEliminar
  12. Eu adopto essa filosofia, mas para caminhar. Além de que é mais fácil fugir aos carros...

    ResponderEliminar
  13. Há coisas que já não escrevo como escrevia quando era anónima ahahah dou-lhes um floreado diferente. Sinto-me bem por desabafar escrevendo, mas acho nem toda a gente que lê realmente perceba o significado. Serve o propósito.
    Gaja se fores para outro pouso manda-me um mail, que pra mim és anónima e eu quero continuar a ler os teus devaneios!

    ResponderEliminar
  14. Uma vez, há muitos anos, li um artigo que dizia algo deste género... Há coisas sobre as quais não posso escrever. Umas porque são tão insignificantes que nada há a dizer, outras porque são tão grandes que ao escrevê-las as perco.
    Sei que na altura recortei e guardei o artigo, mas como várias outras coisas de que gostei muito, perdi-o. :)

    ResponderEliminar
  15. Também sinto essa falta de escrever o que sinto. Infelizmente,nos últimos tempos, apesar de sentir muito, a pena não se ajeita aos pensamentos. :)

    Boa semana.

    ResponderEliminar

Quem quer pensar comigo: