domingo, 13 de novembro de 2016

Andava aqui tão preocupada

Sem razão pois claro, afinal a tradição ainda é o que era.

Depois das chuvas os sapos ainda vêm para a estrada e morrem de AVC.
Ou de outras mortes mais matadas, atropelados ou assim, coitados.
Não fui eu ein? Ainda lhe toquei para ver se estava vivo para o salvar que até podia ser um príncipe amaldiçoado mas não, este já estava mortinho da Silva.





22 comentários:

  1. Respostas
    1. Coitado mesmo Elvira. Na certa não merecia morrer assim :(
      Boa Semana

      Eliminar
  2. Pobre bicho. Soube há bem pouco tempo que são bastante sociáveis. Uma nossa amiga blogger tem um. E esta, hein?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São engraçados sim Lápis, só não sei o que leva os pobres bichos a ir para a estrada depois das chuvas...

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Tadito, um bichinho tão inofensivo Luisa, podia ter pelo menos ficado na berma da estrada.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Até podia a ser um príncipe Mena, mas ficou-se, fiquei sem saber. Beijinhos

      Eliminar
  5. realmente, posição mais estranha com língua de fora e tudo e até parece que está "agarrado" ao coração, que dramático :|

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este estudou teatro Misha, só pode. Tão melodramático :)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Teresa, por que raio vão para a estrada e não se deixam ficar nas folhas da erma?

      Eliminar
  7. parece uma morte encenada, mas com a dignidade de um batráquio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mia, se o Cocas visse esta imagem, saía daqui um filme :)

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Não tenho visto quase nenhuns este ano, finalmente aprenderam a esconder-se :)

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Não digas, não digas Cátia, Miss Piggy vai ficar tristíssima... :))

      Eliminar
  10. Nos Picos de Europa veem-se tantos mortos na estrada... são enormes.

    ResponderEliminar
  11. Podia mesmo ser um prícipe... vale sempre a pena ver se o bicho ainda respira...

    ResponderEliminar

Quem quer pensar comigo: