quinta-feira, 17 de março de 2016

Limites


Já falei aqui de limites e de como já tive medo de não saber quais são os meus. Não os meus limites de velocidade ou as minhas zonas limítrofes, mas da hesitação e dúvida na tentativa de certas conquistas pessoais, falo acima de tudo dos meus limites físicos e emocionais e não adianta fazer cálculos matemáticos que não foi por aí que lá cheguei.

Muitos ficam paralisados perante os seus limites
Ai como sofro
Ai que não consigo
Ai que não aguento
Ai que nem tento pois já sei que não sou capaz

Se por vezes até temos alguns limites físicos, os verdadeiros limites são mesmo os emocionais que nunca vamos saber quais são até os desafiarmos. E aqueles que dizem sabe-los de antemão porque se conhecem bem demais a si próprios, estão longe de os conhecer na realidade pois eles estão certamente muito além da linha que julgam ser a sua. O medo de sair derrotado e não conseguir lidar com o orgulho ferido é também um bom argumento para desistir antes sequer de começar.
Mas acreditem, conseguimos sempre chegar mais além, subir sempre mais um pouco, sofrer muito mais, aguentar mais dor e ser muito mais feliz do que achamos alguma vez possível. Acreditem, temos capacidades incríveis e forças inimagináveis.
Tentar é o primeiro passo.  E acreditar. Sempre!

26 comentários:

  1. Eu sou uma nulidade em limites físicos, contudo acredito que insistir é o primeiro passo para se conseguir. Quer com os limites físicos quer com os emocionais. Insistir e tentar inverter a situação :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tentar pelo menos, sem esse passo torna-se difícil ir mais além. Beijinho Vizinha :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Querer é poder e ajuda muito Maria do Mundo

      Eliminar
  3. Ás vezes falta é a força... é preciso alguém para dar um empurrãozinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tocaste num ponto importante Dinona, tudo se torna mais possível quando temos apoio, alguém a puxar por nós ou a fazer-nos acreditar que é possível. Jinho

      Eliminar
  4. Até há pouco tempo eu pensava também não conseguir ultrapassar algumas coisas, embora quem me conhece pense que eu sou forte, mas não sou bem assim! ultrapassar o limite da dor, não fisica mas emocional é-me muito dificil, o que já sabia, embora ainda não a tivesse passado, mas quando nos conhecemos, sabemos. O ano passado, infelizmente passei por essa situação, se a ultrapassei? não! mas tive de aprender a saber lidar com essa dor. Nessa altura pensei não a conseguir ultrapassar e passados 9 meses,não ultrapassei, mas aprendi a viver com isso. É difícil, mas a dor transformou-se num viver a pensar, mas sem sofrer. Tens razão GM, quando dizes que vamos buscar forças onde nem imaginamos, foi o que aconteceu comigo nessa e em outras situações.
    Beijinho querida, espero que nunca percas essa força para que consigas tudo o que desejas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nina, Por ter conhecimento de causa é que falo desta forma. Aguentamos sempre mais um pouco e conseguimos a maioria das vezes ultrapassar aquilo que julgamos ser o nosso limite. Tomar a decisão de tentar, de lutar e de conseguir nem sempre é fácil, mas muitas vezes dá frutos. Abracinho nina

      Eliminar
    2. Claro que aguentamos GM muitas vezes não teremos outro remédio. Beijinho
      ( vais pedalar hoje? é que voltou a chuvinha 😆 )

      Eliminar
    3. Claro que aguentamos GM muitas vezes não teremos outro remédio. Beijinho
      ( vais pedalar hoje? é que voltou a chuvinha 😆 )

      Eliminar
    4. Buahhhhh! Nao gosto de chuva! !!😢

      Eliminar
  5. Concordo contigo e com tudo o que disseste mas... Há uma verdade inegável, temos limites, e não é a desistir que os reconheceremos, mas não será também no desenfreado objectivo de mais um pouco e um pouco mais.Alguns o fizeram e pagaram com a vida. Tudo na vida tem conta e medida, e, quanto a mim, não deve fazer sofrer ou infligir dor mas, alegria, prazer, bem estar.

    Boa noite GM :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão Noname, mas a isso não deveremos chamar ambição desmedida?
      Há que saber quando parar. Encontrar o equilíbrio sempre será a nossa maior guerra. Beijinho e um bom dia

      Eliminar
  6. Concordo, o ânimo é essencial; o psíqico a controlar o físico e a fazer subir a fasquia. O resto é bem-estar. :)
    Boa noite, GM.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim Teresa, nao esqueçamos o bem estar. Quando o desafio o deixa para trás provavelmente chegou a hora de parar. Beijinho

      Eliminar
  7. Estamos de acordo, como (quase) sempre. Já subi a "alturas impossíveis", com o "céu mesmo ali, à distância de um afago"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu Carlos, já consegui superar desafios que achei não serem possíveis só porque tentei, porque decidi que era capaz, porque me propuz a eles :)

      Eliminar
  8. Respostas
    1. É mesmo Diana. E ficar parada à espera também :) toca a ir a luta

      Eliminar
  9. Superamo-nos quando saímos da nossa zona de conforto.

    Um beijinho, GM :)

    ResponderEliminar
  10. Tens razão, mas eu sou tao pessimista porra :(

    ResponderEliminar
  11. O tema é aliciante. Por ele se cruzam os nossos medos, a nossa ânsia de chegar mais longe, de nos desafiarmos, em suma, tudo aquilo que pode contribuir, ou travar, a nossa evolução. E, aqui para nós, só ousando nos poderemos conhecer verdadeiramente, quem renuncia está condenado a ficar pelo caminho, a travar diálogos íntimos do género "e se eu tivesse...".
    Que mais dizer? É por aí, Gaja, é por aí... Força!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. Não os conhecemos mesmo, GM, por isso as ganas de (n)os desafiar!

    ResponderEliminar
  13. Olha, gaijinha, comentaste no meu post Dilema, mas não clicaste no link...

    :))

    ResponderEliminar
  14. Nem mais. E é nos momentos "caos" que percebemos que somos sempre mais fortes. Aguentamos sempre mais um bocadinho de dor, de sofrimento. Beijinho.

    ResponderEliminar

Quem quer pensar comigo: