terça-feira, 1 de março de 2016

Talvez saudade

Guardo aqui dentro num pequeno e recôndito lugar do meu coração a chave das memórias passadas. Em busca da razão  para a angústia que me rouba por vezes as palavras, dei com a chave caida por entre as linhas tenues do meu silêncio. Coloquei-a na fechadura e rodei. Memórias  passadas e objetos surgiram então  em forma de cascata, descendo apressadamente no meu pensamento.
Os patins de bota branca que meu pai mandou vir da Alemanha quando eu era uma promissora patinadora,  a caixa dos lápis de mil cores quando mostrei jeito para a pintura, a máquina  fotográfica  Kodak que comprou para mim e minha irmã no intuito de nos incentivar para a fotografia, a pinça para a coleção  de selos e a máquina  de escrever com que me presenteou quando ganhei um prémio com um poema que fiz na escola primária.
A determinada altura deixei de ir á patinagem, deixei os selos de lado e a máquina Kodak foi ficando em casa. Nunca cheguei a ser pintora nem escritora. Guardo porém todos estes objetos e até  alguns mais. Tenho uma enorme paixão  por eles, mas quis a vida e eu que enveredasse por outros caminhos.
Guardo, fechados á  chave, tantos desejos mudos, tantas paixões adormecidas, tantas vontades preteridas. Mas uma coisa eu sinto todos os dias. O sorriso meigo dos olhos de meu pai em mim.

29 comentários:

  1. Para mim este é um dos textos mais bonitos que te li aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alice, quando as palavras vêm diretamente do coração de alguém sao sempre bonitas :)

      Eliminar
  2. São este tipo de memórias que eu gosto de ter, uma saudade doce...
    Adorei.
    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito doces sim as minhas memórias da infância, felizmente Cristina :)

      Eliminar
  3. Gostei, gostei muito, muito - tanto que a emoção tomou conta de mim... (Fiquei parado na articulação das palavras - apetece-me dizer "tanta coisa" sobre o texto...).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos, força. As palavras são para dizer quando as sentimos :)

      Eliminar
  4. As memórias que guardo do meu pai, mão são presentes desses. São gestos, são ensinamentos. Coisas materiais, lembro as tamancas de madeira que ele fazia para nós calçarmos. E a mala de madeira quando fui para escola, também feita por ele, muito semelhante às malas de pintores.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, estas são apenas algumas das memórias, que só por acaso são materiais porque a essencia, o ensinamento e a liçao que tirei delas está muito mais além e ficou gravada ainda mais profundamente. Nessa área os meus pais foram exemplares. Beijinho

      Eliminar
  5. Respostas
    1. É mesmo. Há que guardá-las bem guardadas :)

      Eliminar
  6. Que saudade agora, da ternura do meu pai...
    Não me parece que nada tenha sido em vão, textos maravilhosos estão à vista, belas fotografias também, e os patins foram substituídos por uma bicicleta. É que os pais vão deixando cair sementes, porque sabem que as boas sementes germinam sempre, de uma forma ou de outra.
    Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Teresa. É verdade, tive a felicidade e o orgulho de ter todas essas sementes para colher e poder fazê-las germinar.Algumas consegui, outras ainda não :)

      Eliminar
  7. Acho que, depois dos 40, temos uma propensão para ir lá atrás de vez em quando. Crise de meia idade? Ou a noção de meia vida vivida e, outra meia por viver, da qual não sabemos quanto dura. Não te apoquentes, vou dando conta que é normal e salutar até.
    Talvez saudades... http://noname-metamorphosis.blogspot.pt/2009/10/20090225-esta-noite-sonhei-contigo.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se é da idade Noname, talvez, simplesmente as memórias vão e vêm e há dias em a saudade aperta e meu pai faz-me falta :) O teu texto é lindo N, disseste tudo. Beijinho

      Eliminar
  8. Belas memórias e que ternura na tua escrita, guarda tudo isso muito bem junto do teu coração...
    Um beijinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Memórias que ficam para sempre. Tu sabes.. Beijinho Algures

      Eliminar
  9. Não me parece que nada disso tenha sido em vão, GM, a avaliar pelo que leio de ti. E também não o foi pelas lembranças, pelo carinho e pelos belos momentos que deves ter vivido com todos eles. :))

    (este post está lindo!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas estas coisas fizeram de mim o que sou hoje, sei não ser a melhor pessoa do mundo mas sou o que ele e eu conseguimos e estou-lhe bastante grata por isso. Beijinho Ava

      Eliminar
  10. Uiiiiiiiii eu também tenho algumas coisas guardadas da minha infância. Memórias tenho muitas do meu pai que partiu muito cedo, das brincadeiras, lembro de praticamente de todos os meus amigos dessas alturas. Saudades de muita coisa que não volta.
    Gostei do teu texto GM nunca percas essa chave. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. coisas e pessoas que são a nossa história e aquilo em que nos tornámos. Temos saudades nina mas no fundo tudo ficou guardado em nós, é só ir lá bem fundo procurar. Beijinho :)

      Eliminar
  11. pai...palavra que não pronuncio há mais de 40 anos. precocemente se foi. deixou muita saudade. e o meu baloiço, não houve tempo para mais!
    beijinho, GM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazem-nos falta não é Mia? Mas ficou o baloiço e mais algumas recordações que de certo guardas com muito cuidado. Beijinho

      Eliminar
  12. O coração é grande quando nunca se sente cheio, apesar de tanto já guardar em si.
    Beijo

    ResponderEliminar
  13. E esse sorriso meigo é o maior tesouro que se pode trazer ao peito, junto ao coração.

    Um beijinho, querida Gajinha

    ResponderEliminar
  14. As memórias têm sempre um sabor tão bom. Lembrei do meu :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Memórias coisa boa que nos faz sorrir e chorar
    Kis:=)

    ResponderEliminar
  16. Lindo, Gaja!
    (Hoje não digo mais nada. A referência aos olhos do teu pai tocou-me fundo)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar

Quem quer pensar comigo: